UPF recebe apoio das F-FDTL no controlo das fronteiras terrestres

by -52 views

Díli- Cerca de 380 elementos da Unidade de Patrulhamento de Fronteira (UPF) contam com o apoio das Falintil- Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) e das autoridades comunitárias localizadas nas fronteiras para garantir o controlo e vigilância da entrada ilegal de pessoas.

O Comandante da UPF, o Superintendente João Belo, disse que, apesar dos principais pontos de passagem na linha fronteiriça estarem encerrados, inúmeras pessoas teimam em querer entrar ilegalmente.

Segundo Belo, para fazer face à situação na fronteira, a unidade de Patrulhamento de Fronteira atuará em conjunto com os elementos afetos às F-FDTL assim como as autoridades locais com o objetivo de detetarem eventuais entradas ilegais.

“A UPF conta com a colaboração de 375 efetivos nas fronteiras. Quanto aos elementos afetos às F-FDTL, desconheço ainda o seu número. Isto é da competência do comando. Têm demonstrado apoio incondicional no que toca às operações de controlo em todos os postos fronteiriços”, afirmou aos jornalistas, na sexta-feira (24/04), no Centro Formação Académica da Polícia, em Comoro.

O superintendente elogiou, entretanto, a estreita cooperação entre as F-FDTL e a UPF no que diz respeito ao trabalho conjunto de patrulhamento, medida que tem surtido efeito por se registar um decréscimo em relação ao movimento de pessoas em todos os postos de fronteira. A descida, como refere João Belo, deve-se em parte ao facto de o país vizinho, a Indonésia, ter encerrado as suas fronteiras, quer terrestres quer aéreas.

“Temos um dado positivo que nos vai ajudar bastante. É o facto de a Indonésia ter fechado as suas fronteiras terrestres e aéreas por causa do Ramadão.  A decisão tomada pelo Governo indonésio vai diminuir drasticamente a entrada ilegal de pessoas”, disse.

“Apesar da medida tomada pelo Governo indonésio, continuamos a registar movimentos ilegais, como ocorreu na última segunda-feira (20/04), quando detivemos três cidadãos, e, na quinta-feira, (23/04) um jovem estudante”, recordou.

De acordo com o superintendente, a detenção de grande parte dos estudantes timorenses, oriundos de Kupang e de Java, na Indonésia, teve lugar essencialmente nas zonas de Citrana, em Oé-Cusse, Covalima e Bobonaro.

“Caso sejam detidos cidadãos estrangeiros, serão deportados para o seu país de origem. Detivemos, no entanto, apenas jovens estudantes timorenses, que foram prontamente encaminhados para o Centro de Saúde em Motain de modo a ficarem em quarentena”, concluiu. (res)

No More Posts Available.

No more pages to load.