Timor-Leste e Indonésia preparados para reabrirem mercados fronteiriços

by -39 views

DÍLI – O Secretário de Estado de Cooperativas, Elisário Ferreira, encontrou-se, esta segunda-feira (20/07), com o Embaixador da Indonésia em TL, Sahat Sitorus, para falarem sobre a reabertura dos mercados nas fronteiras terrestres e sobre as relações bilaterais, em particular no que toca ao desenvolvimento das cooperativas, micro, e pequenas empresas.

“Falámos sobre as relações bilaterais nos diferentes domínios, como a reabertura do mercado na fronteira, que iniciámos em 2013, bem como as ações a serem efetuadas para que as atividades económicas possam ser retomadas e beneficiadas as comunidades de ambos os lados. Uma das medidas é a criação de cooperativas e pequenas empresas que possam trazer postos de trabalho para os cidadãos”, disse Elisário, aos jornalistas, no seu local de trabalho, no ACAIT, Díli.

Elisário referiu ainda que, no encontro mantido com Sahat Sitorus, houve espaço para discutir a revisão do memorando anteriormente assinado pelos dois países.

“Este memorando de entendimento permitiu definir as ações a serem efetuadas em relação aos serviços prestados e bem-estar da população nas áreas fronteiriças entre as duas nações”, frisou o governante.

Já Sahat Sitorus confirmou os objetivos do encontro realizado com Elisário Ferreira.

“Discutimos a cooperação entre os dois países vizinhos, sobretudo nas áreas da economia e do comércio na fronteira”, disse o embaixador.

O diplomata sugeriu de igual modo às duas comunidades nas fronteiras que usufruam desta oportunidade, promovendo atividades de negócio, como pequenas empresas e cooperativas, de modo a contribuírem para a paz e bem-estar.

Segundo Sahat, apesar de os dois países terem assinado um memorando de entendimento, são ainda necessárias ações concretas que façam incrementar o setor económico local.

“Devemos aproveitar o potencial económico existente nas fronteiras. Sugiro, igualmente, ao Governo de Timor-Leste que crie pequenas indústrias nas áreas de agricultura e pescas de modo a criar postos de trabalho para os seus cidadãos”, concluiu Sahat Sitorus. (mj3)