Sara Xavier: HNGV nunca autorizou tratamento tradicional a internados

by -64 views

Díli – A Chefe do Gabinete de Controlo de Qualidade e Comunicação Social do Hospital Nacional Guido Valadares (HNGV), Sara Maria Xavier, clarificou que esta unidade hospitalar nunca deu qualquer autorização para que fossem efetuados tratamentos tradicionais aos doentes em internamento.

O esclarecimento surgiu na sequência de uma publicação nas redes sociais que dava conta de que um homem tinha realizado um tratamento tradicional, tendo curado alguns doentes idosos numa sala de internamento do HNGV.

“Quero esclarecer que, em relação à publicação no Facebook sobre o tratamento tradicional feito por um indivíduo no HNGV, nunca autorizámos ninguém a fazer tal atividade aos pacientes que estão sob controlo dos médicos no hospital”, declarou a responsável aos jornalistas, em conferência de imprensa, ocorrida nesta terça-feira (05/01), no seu local de trabalho.

Sara sublinhou ainda que todas as intervenções hospitalares dadas aos pacientes estão de acordo com o seu quadro clínico.

“Se um paciente ou a sua própria família pretender que ele receba terapias tradicionais, poderá fazê-las depois de ter alta clínica. Reitero que nunca vamos autorizar os curandeiros a efetuarem tratamento com o uso de medicamentos alternativos para evitarmos que surjam quaisquer complicações. Se isto acontecer, não será da nossa responsabilidade”, disse.

A responsável confirmou ainda a ocorrência deste caso insólito, após ter sido levada a efeito uma investigação.

“Os resultados da investigação confirmaram a veracidade do tratamento tradicional no HNGV, ocorrendo durante os feriados do Natal e do Ano Novo. Embora estivesse lá, o pessoal de saúde não teve conhecimento do sucedido, pois julgava que se tratavam de familiares dos pacientes”, admitiu.

Segundo a chefe, após a ocorrência, o gestor do HNGV reuniu-se de imediato com todos os funcionários da tutela e alertou que, se tiver lugar no futuro um cenário idêntico, terão de avisar logo os internados e seus familiares.

“Nunca soubemos. Isto pode provocar complicações nos pacientes. Então, o HNGV não se vai responsabilizar por esta questão”, concluiu. (res)

No More Posts Available.

No more pages to load.