Professor da UNDIL defende interdição da entrada de cidadãos indonésios e timorenses no país

by -26 views

Díli- O professor da Universidade Díli Hugo Lourenço defendeu, na passada sexta-feira (26-06), que, embora o estado de emergência em Timor-Leste tenha chegado ao seu término, o Governo deve interditar a entrada de cidadãos timorenses e indonésios nos postos fronteiriços terrestres e manter as restrições para fazer face a um eventual surto de covid-19.

“O Governo não deve agora aliviar as medidas de contenção para responder à covid-19. Deve mostrar firmeza no combate à crise sanitária. O importante é, pois, manter as fronteiras encerradas, pois o número de pessoas infetadas com covid-19 na Indonésia tem crescido significativamente. Não se pode, por isso, autorizar a entrada de cidadãos indonésios e timorenses nas fronteiras”, disse Hugo Lourenço, em declarações ao Timor Post, no Campus.

O professor universitário apelou ainda ao Ministério da Saúde que fossem dadas instruções à população para que cumprisse as normas sanitárias, designadamente o uso das máscaras e a distância social.

Recorde-se que o Brigadeiro-General João Miranda ‘Aluc, Porta-voz do Centro Integrado de Gestão de Crise, tinha antes afirmado que não haveria necessidade de estender o estado emergência, sublinhando, no entanto, que se deveriam manter as normas de proteção individual bem como as de higienização.

“A situação do estado de emergência decretado pelo Governo termina às 12h00 desta noite. No encontro interministerial, foi, então, decidido que não haveria necessidade de estender a situação do estado de emergência”, afirmou aos jornalistas, na passada quinta-feira (25/06), no Palácio do Governo.

O brigadeiro destacou ainda a importância de o Ministério da Saúde garantir a continuidade das medidas de prevenção da covid-19, nomeadamente assegurar o controlo de circulação de pessoas nas fronteiras terrestres e a obrigatoriedade de cumprir quarentena.

“Apesar do fim do estado de emergência, é urgente o Estado continuar a reforçar o controlo fronteiriço com a presença de forças policiais. Além disso, deverá obrigar quem chega ao país ficar em quarentena”, afirmou.

Segundo o brigadeiro, compete ao Ministério da Saúde tomar medidas de prevenção, regulando as entradas de cidadãos e conduzindo-os para os centros de quarentena.

Paixão pede reforço nos postos de segurança das fronteiras terrestres

O Ministro da Defesa, Filomeno Paixão, disse que, embora a fronteira terrestre se mantenha provisoriamente encerrada, é fundamental criar mais três postos de segurança para garantir o controlo de entradas ilegais de pessoas.

“A segurança nas zonas fronteiriças é assegurada pelas Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste [F-FDTL] e Polícia Nacional de Timor-Leste [PNTL]. Apesar disso, o controlo não está totalmente garantido, pelo que é necessária a criação de mais três postos fronteiriços”, afirmou o Ministro da Defesa, na sexta-feira (26/06), em Aitarak Laran.

Filomeno Paixão garantiu ainda que pretende coordenar-se com a administração dos municípios e postos administrativos para que seja posto em prática o patrulhamento diário, quer das forças de defesa quer dos agentes policiais.

“Os três postos poderão localizar-se em Cova, Alto Lebos e Mota-Masin”, afirmou.

Segundo o ministro, as fronteiras abrirão apenas uma vez por semana, durante duas horas, medida que visa conter uma eventual disseminação do novo coronavírus.

“As forças de segurança continuam a reforçar as operações de fiscalização junto aos postos fronteiriços”, referiu.

Questionado sobre o número de elementos das F-FDTL e da PNTL que asseguram as ações de controlo fronteiriço, Paixão respondeu que existe no terreno um vasto pelotão que tem levado a cabo de forma eficiente as operações. (res/kyt)