Governo pondera abate de árvores velhas na capital

by -38 views

Díli – O Vice-Ministro do Interior, António Armindo, pondera orientar os bombeiros para desenvolverem em breve uma operação de abate de árvores velhas e secas na capital por razões de segurança.

“Apesar de não estarmos ainda a pensar no corte, gostávamos das ideias vindas do público, visto que são importantíssimas, não colocando a vida de ninguém em risco. Os bombeiros e a Secretaria de Estado da Proteção Civil devem pensar no assunto”, afirmou o governante, após a reunião do Conselho de Ministros, na quarta-feira (16/09), na sequência da queda de uma árvore em cima de duas microletes e quatro motociclos, em Becora.

António lembrou ainda que a queda da árvore em Becora foi “uma chamada de atenção” para o Governo tomar medidas preventivas, evitando, desta forma, mais vítimas. Sugeriu, por isso, à comunidade que, caso se sinta ameaçada, fizesse um pedido ao Ministério do Interior (MI) e à SEPC para cortarem árvores.

Questionado sobre o pagamento feito pela população, caso os bombeiros sejam chamados para abaterem árvores, António Armindo disse que esta situação não está prevista.

“O povo já não possui dinheiro para comer, quanto mais para pagar aos bombeiros. Eles são do Estado. Qualquer cidadão tem o direito de os contactar diretamente para responder às suas preocupações”, sublinhou.

Para António Armindo, as entidades relevantes não dão importância aos pequenos problemas, mas que afetam gravemente a população.

Já Lola Mota, uma habitante de Bebonuk, disse ao Timor Post que, apesar de o seu líder local ter feito o pedido aos bombeiros para abaterem uma árvore seca que se situa junto dos vendedores de peixe, não recebeu até ao momento resposta.

Recorde-se que, apesar dos danos provocados pelas árvores, estas são essenciais para as cidades. Além de criarem sombras, diminuírem a temperatura dos espaços e protegerem do vento, promovem qualidade ambiental nas zonas urbanas, absorvendo o dióxido de carbono e libertando o oxigénio, mas também reduzindo o ruído, favorecendo a infiltração de águas pluviais e promovendo uma diminuição do consumo de energia dos edifícios à volta. (flo)