Governo e autoridades judiciais devem garantir controlo de branqueamento de capitais

by -72 views
Foto Especial

Díli (Timor Post) – O jurista Manuel Sarmento defende a necessidade de o Governo, Ministério Público, Tribunal e Polícia Científica de Investigação Criminal imporem medidas de prevenção e combate ao crime de branqueamento de capitais.

“A lavagem de dinheiro é considerada um crime organizado, pois pressupõe o envolvimento de várias pessoas”, disse Manuel Sarmento aos jornalistas, na Universidade da Paz (UNPAZ), em Manleuana.

“Tanto o Executivo como as autoridades judiciárias dão apenas a sua devida importância quando surge um caso real que indicia a prática do crime organizado. Por isso, é fundamental que as entidades relevantes adotem mecanismos de controlo eficaz da ação criminal de forma a manter a estabilidade financeira”, acrescentou.

Em resposta ao pedido do jurista, a Direção-Geral do Serviço de Registos e do Notariado (DGSRN) celebrou um acordo com o Banco Central de Timor-Leste (BCTL) que visa combater o crime de branqueamento de capitais no país.

“A equipa da DGSRN e do BCTL estão a trabalhar em cooperação para combaterem este crime que pode originar grande prejuízo ao Estado, causando, desta forma, instabilidade financeira”, disse o diretor da tutela, Crisogno da Costa Neto.

O responsável lembrou que a lei n.º17/2011 estabelece requisitos de medidas de prevenção e de combate ao crime organizado de acordo com o padrão internacional.

Crisogno Neto afirmou que, caso a unidade de gestão financeira venha a detetar factos que indiciam o crime de branqueamento de capitais na sequência da análise do relatório anual financeiro, deverá enviá-lo ao Ministério Público para prosseguir com a investigação. (jxy)

No More Posts Available.

No more pages to load.