Famílias da aldeia de Hau-tefu em RAEOA não receberam subsídio de 200 dólares

by -45 views

DÍLI- Os agregados familiares da aldeia de Hau-tefu, no suco de Bene-ufe, na sub-região de Netibe, ainda não receberam o subsídio de 200 dólares americanos, revelou o Presidente da Autoridade da Região Administrativa Especial de Oé-Cusse Ambeno (RAEOA), Arsénio Bano.

“Relativamente às reclamações dos agregados familiares, na RAEOA, na aldeia de Hau-tefu, ainda não receberam o subsídio, mas os técnicos estão a envidar esforços para fazer o pagamento, sobretudo o MSSI, que está a realizar a verificação. Ao terminar, estamos prontos para cooperar e proceder a este pagamento”, disse Arsénio Bano, à margem da reunião com a Vice-Primeira-Ministra e Ministra da Solidariedade Social e Inclusão, Armanda Berta dos Santos, esta segunda-feira (10/08), em Caicoli, Díli.

Bano lembrou que as falhas se estenderam a todo o território, mas elogiou o trabalho levado a cabo pela equipa de pagamento deste subsídio na região.

 “Queremos agradecer à Vice-Primeira-Ministra, porque apoiou a RAEOA durante o pagamento do subsídio de 200 dólares americanos, enviando uma equipa muito forte para atribuir este apoio monetário. A própria Vice-Ministra da Solidariedade Social e Inclusão se deslocou à região para acompanhar diretamente o pagamento”, afirmou, acrescentando não ter dúvidas de que estes beneficiários receberão o subsídio a que têm direito.

Segundo o responsável, já mais de 18 mil agregados familiares da região receberam o apoio monetário, registando-se 500 reclamações, incluindo dos agregados da aldeia de Hau-tefu.

“Previmos que por volta de 20 mil famílias receberiam o apoio monetário, mas, devido a alguns agregados familiares terem um salário superior a 500 dólares americanos, surgirem nomes em duplicado, entre outras questões, o número ficou reduzido a 18 mil”, adiantou.

Bano destacou também que Armanda Berta se comprometeu a colocar um ponto focal na RAEOA para melhorar a cooperação deste ministério com a região.

 “A Vice-Primeira-Ministra prometeu que colocaria um ponto focal na RAEOA para que se possa melhorar a coordenação entre o Ministério da Solidariedade Social e Inclusão e a Região Administrativa Especial de Oé-Cusse Ambeno”, concluiu.

Recorde-se que o apoio monetário, no valor de 100 dólares americanos por mês, é atribuído a cada família em que nenhum dos seus membros aufira mensalmente um valor superior a 500 dólares americanos. Nesta primeira fase, são pagos dois meses, o correspondente a 200 dólares americanos.

A medida do Governo tem como objetivo apoiar as famílias mais carenciadas ou que perderam os seus rendimentos devido à crise provocada pela covid-19. (isa)