Estado de emergência transforma-se em “emergência do Estado”

by -100 views
Martinho Gusmão

DÍLI (Timor Post) – O jurista Martinho Gusmão considera que o estado de emergência se transformou numa “emergência do Estado” devido à falta de orçamento para efetuar o pagamento aos trabalhadores na linha da frente e desenvolver o país.

“Apesar de o Governo declarar a renovação do estado de emergência e a imposição de confinamento obrigatório em Díli, alguns dos seus membros foram a festas nos municípios que estão sob cerca sanitária”, disse Martinho Gusmão, ao Timor Post, esta terça-feira (31/08), via telefone.

Segundo Martinho Gusmão, a substituição do Primeiro-Ministro, Taur Matan Ruak, pela sua vice para liderar a reunião do Conselho de Ministros mostra que o Governo é “incapaz”.

“A atual situação não se trata de um estado de emergência, mas de uma emergência do Estado. O Executivo já não se consegue sustentar a si próprio, quanto mais a outras pessoas. É como vermos o médico desmaiado antes de cuidar dos seus doentes”, afirmou.

O jurista defendeu ainda a necessidade de todos os líderes, designadamente o Chefe de Estado, o Primeiro-Ministro e o Presidente do Parlamento Nacional, cumprirem as medidas preventivas e de combate ao novo coronavírus.

“O Presidente da República mantém-se em silêncio até ao fim do seu mandato e o Presidente do Parlamento fala até estremecer. Quanto ao Chefe do Governo, mostra-se permanentemente triste. Já o Presidente do Tribunal de Recurso não sabe o que as bancadas do Governo e da oposição defendem”, frisou.

“Relativamente ao Ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Fidélis Leite Magalhães, não percebeu a função da vacina e limitou a circulação de pessoas já com vacinação completa. Além disso, o Dr. Rui e a Dra. Odete não sabem explicar a razão desta proibição”, acrescentou.

Recorde-se que o Reitor da Universidade da Paz (UNPAZ), Adolmando Soares Amaral, tinha também antes considerado o Governo incapaz de solucionar os problemas causados pela situação pandémica em Timor-Leste.

“O Executivo só é capaz de estender a cerca sanitária e confinamento obrigatório”, referiu.

O académico defende o reforço de ações de sensibilização das medidas preventivas à população, em vez de apertar as restrições, já que vão ter grande peso na economia.

“Não devíamos suspender as atividades económicas, letivas nem religiosas. O Executivo está a castigar a população com a sua incapacidade”, acusou.

Já o Ministro da Presidência do Conselho de Ministros (MPCM), Fidélis Leite Magalhães, defende que outros países elogiam as medidas de prevenção da covid-19 implementadas em Timor-Leste.

“Os países estrangeiros também renovam a cerca sanitária. Algumas pessoas pediram ao Governo que aprendesse com os outros países, mas, na realidade, são eles que precisam de aprender connosco”, concluiu. (jry)

No More Posts Available.

No more pages to load.