Deputados da Fretilin questionam Unidade de Trânsito da PNTL por acompanhar “filhos das elites” em passeio

by -38 views

DÍLI – Os deputados da Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente (Fretilin) questionaram a Unidade de Trânsito da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) por ter acompanhado “os filhos das elite em viaturas de luxo” – Jaguar e Mercedes-Benz – num passeio entre Díli e Obrato, em Manatuto.

“Será que no domingo se comemorou um dia importante em Obrato, dado que os filhos das elites resolveram fazer um percurso automobilístico, exibindo os seus carros luxuosos? Por que é que a polícia pôs a sirene em funcionamento durante todo o trajeto? Por que motivo gastaram combustível para os acompanharem? Será que eles pagaram uma taxa ao Estado para a realização desta atividade?”, questionou a deputada da Fretilin Maria Angélica Rangel, esta segunda-feira (01/02), no Parlamento Nacional.

“Obrato não é um local para carros de luxo circularem, mas antes para a comunidade em geral poder circular em segurança. Esta ação impede a circulação de pessoas”, acrescentou.

A parlamentar pediu, por isso, ao Ministro e ao Vice-Ministro do Interior que efetuassem uma análise profunda relativa ao assunto em causa.

“Queremos pedir ao Ministro e ao Vice-Ministro do Interior que analisassem a situação de forma responsável, identificando  o principal responsável que autorizou a que os jovens fossem escoltados pela PNTL”, apelou.

Acrescentou estar envergonhada com este episódio, dado o elevado número de timorenses que vivem ainda abaixo do limiar da pobreza.

Na mesma linha, o Chefe da bancada da Fretilin, Francisco Miranda Branco, manifestou a sua discordância em relação a esta “exposição de luxo”, pois “exibiram sinais de riqueza no meio das pessoas carenciadas”.

“Passearam de carro de luxo no país, onde mais de 43% da população vivem abaixo da linha da pobreza. Enquanto evidenciaram sinais de luxo, muitos dos timorenses só conseguem comer uma vez por dia”, lamentou.

O Ministro dos Assuntos Parlamentares e Comunicação Social (MAPCOMS), Francisco Jerónimo, disse, por sua vez, que o MAPCOMS transmitirá esta questão ao ministério competente. (jry)