Comandante da PNTL preocupado com risco de Timor-Leste se tornar destino de droga

by -72 views

DÍLI- O Comandante-Geral da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL), o Comissário Faustino da Costa, considera que o país se poderá tornar num destino de narcotráfico e de interesse para os cartéis de droga.

Faustino prestou estas declarações na sequência da destruição, na quinta-feira (10/09), de 160 toneladas de substâncias para a produção de droga, detetadas em nove contentores em 2018, no Porto de Díli. Estes materiais, uma das maiores apreensões registadas na Ásia, foram destruídos pela Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL), Polícia Científica de Investigação Criminal (PSIC), Ministério Público, Alfândega, entre outros.

O comissário afirmou que Timor-Leste corre riscos não só no que toca ao consumo mas também pelo facto de ter, para os cartéis de droga, uma posição estratégica para o tráfico bem como leis frágeis.

Faustino considera que, para que o país evite o tráfico de droga, é importante a colaboração entre todas as entidades do Estado e equipamentos modernos que detetem substâncias ilícitas.

“Esperamos ter um orçamento apropriado para estas áreas de modo a manter a capacitação dos recursos humanos e comprar os equipamentos necessários”, afirmou o Comissário aos jornalistas este, sábado (12/09), no Quartel Geral da PNTL em Caicoli.

Já o Procurador-Geral da República afirmou que muitos casos, principalmente os de droga, se devem à inexistência de leis em Timor-Leste, pelo que os cartéis de droga escolhem o país para trânsito. Pediu, como tal, ao Conselho de Ministros e Parlamento Nacional que vissem com seriedade este problema.

“O Tribunal está consciente de como é que os materiais foram mandados da China para Jacarta, na Indonésia, e reenviados para Timor? E chegados a Timor, quais seriam os destinatários? O Tribunal de Recurso decidiu, por isso, a destruição das substâncias”, recordou o Procurador-Geral da República, José Ximenes aos jornalistas no local da destruição destes materiais, em Caicoli.

“O Tribunal decidiu no dia 28 de agosto de 2019 absolver os arguidos acusados destes crimes e restituir as matérias ao proprietário. O Ministério Público não concordou com a decisão do Tribunal de Díli e, no dia 20 de fevereiro deste ano, o Tribunal de Recurso ordenou a destruição das 160 toneladas de matérias-primas para droga e substâncias químicas”, acrescentou.

José afirmou também que Timor-Leste não se poderá tornar num destino de droga e pediu ao Governo e ao Parlamento que aperfeiçoasse a lei N.02/2017 relativa ao combate ao narcotráfico. (f10)

No More Posts Available.

No more pages to load.