CNRT: Levantamento extraordinário não contribui para recuperação da economia

by -31 views

Díli – O Chefe da bancada do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), Duarte Nunes, disse que o levantamento extraordinário de cerca de 287 milhões de dólares do Fundo Petrolífero (FP) não contribui para uma recuperação económica do país.

“No nosso entender, a recuperação económica é um grande problema. Não podemos deixar de lado esta questão para resolver depois”, afirmou aos jornalistas, no passado sábado (20/06), no Bairro dos Grilos.

Duarte Nunes pediu, como tal, ao Governo que apresentasse planos concretos relativos ao Orçamento Geral do Estado de 2020 para que sejam posteriormente aprovados pelo Parlamento Nacional, garantindo, desta forma, a estabilidade económica.

“Nós, do CNRT, pedimos ao Executivo que efetuasse uma análise adequada para que se possa recuperar faseadamente o que foi perdido ao longo dos três anos. Deve haver uma previsão e justificações claras sobre as verbas destinadas a cada programa”, afirmou, lembrando que o segundo pedido de transferência do FP visa reforçar a máquina do Estado durante o regime de duodécimos, cobrir as despesas relacionadas com as medidas de prevenção e do combate à covid-19 e recuperar a economia do país.

O deputado revelou ainda que o CNRT compareceria no plenário só depois do debate desta segunda-feira (22/05).

Também o Vice-Presidente da bancada do CNRT, Patrocínio dos Reis, disse não ser urgente o pedido do levantamento, visto que “não há seriedade na execução do Fundo Covid-19”.

“Não quer dizer que não dêmos importância às pessoas que trabalham na linha da frente. Não, não é isso! Deve dar-se prioridade a outras questões. Hoje, continuamos a insistir moralmente no reforço do Fundo Covid-19. Qual é o valor moral disto?”, questionou Patrocínio dos Reis, na sessão plenária da passada segunda-feira (15/06).

António Verdial, deputado da bancada da Klibur Haburas Unidade Timor Oan (KHUNTO), questionou, por sua vez, o não pagamento dos hotéis contratados pelo Governo como locais de quarentena e dos trabalhadores na linha da frente, nomeadamente os profissionais de saúde e as autoridades de segurança.

O deputado do Partido Democrático (PD) António da Conceição ‘Kalohan’ questionou igualmente o carácter de urgência do debate sobre o pedido do levantamento extraordinário do FP. (flo)