Cinco empresas recebem declaração de benefícios

by -49 views
Diretor da TradeInvest de Timor-Leste, Arcanjo da Silva

DÍLI- A TradeInvest, a Agência de Promoção de Investimento e Exportação, I.P, atribuiu, esta quinta-feira (17/09), as declarações de benefícios a cinco empresas, que incluem investidores nacionais e estrangeiros.

Receberam as declarações de benefícios as empresas Comve, em Lospalos, a Compass Boat Charter & Diverses Unipessoal de Ataúro, a Acelda Unipessoal de Vemasse, em Baucau, a Dos Santos Agropec Unipessoal, em Atabae, Bobonaro, e a Agropro Corporation, de Maubara, em Liquiçá.

A declaração de benefícios permite, entre outros, uma isenção de impostos a 100%, durante cinco anos no município de Díli, oito anos em outros municípios e dez anos em Ataúro e região de Oé-Cusse.

“Temos a esperança de apoiar e estimular o crescimento do investimento no nosso país. Perdemos [as receitas fiscais] durante cinco anos em Díli, mas recuperamos o investimento. Apesar de perdermos os impostos em outros municípios durante oito anos, há um investimento sustentável”, disse o Diretor da TradeInvest de Timor-Leste, Arcanjo da Silva, em Aitarak-Laran, Díli.

Arcanjo da Silva sublinhou ainda que, mais do que os impostos, o importante é fazer face à taxa de desemprego no país, “um problema nacional”.

“Estes investidores investem um valor superior a cinco milhões de dólares americanos, mas empregam pouco mais de 100 pessoas, numa primeira fase. Recrutarão, depois, mais trabalhadores timorenses e transmitirão a mensagem aos novos empresários para investimento nos setores produtivos”, afirmou.

Segundo o responsável, este investimento é realizado de acordo com a política do Governo, que “aposta no desenvolvimento privado, promovendo setores como a agricultura e o turismo”.

“Esperamos que, no próximo ano de 2021, o Ministro Coordenador dos Assuntos Económicos possa observar e promover algumas indústrias transformadoras para atrair investimento no país”, acrescentou.

A investidora timorense Brígida Correia recordou, por sua vez, que a sua empresa ligada à pecuária, a Comve, foi criada em 2018, considerando que permitiu apoiar a economia nacional, através da criação de postos de trabalho e do incentivo ao empreendedorismo por parte dos jovens timorenses e outros empresários, sobretudo as mulheres.

“Com este apoio que obtivemos do Governo, nomeadamente a declaração de benefícios que garante a isenção de impostos, acreditamos que podemos melhorar no futuro. Temos solidez nas atividades que realizamos e apoiamos os setores produtivos”, disse.

“Estamos a esforçar-nos muito para motivar outras pessoas a consumir frangos do aviário em detrimento dos importados. Além da produção avícola, criamos outros animais e produtos agrícolas”, concluiu.

TradeInvest e Autoridade Aduaneira cooperam na melhoria das condições para investimento

A TradeInvest e a Autoridade Aduaneira assinaram também, esta quinta-feira (17/09) um protocolo de cooperação, que visa permitir aos empresários timorenses e internacionais investir e melhorar o atendimento ao público com eficácia e eficiência.

O Diretor-Geral da Autoridade Aduaneira da Alfândega, José Abílio, recordou, neste âmbito, o sistema Asycuda Word.

Este sistema integrado de gestão automatiza todos os processos e procedimentos da atividade aduaneira, desde a entrega do manifesto de carga até à saída de mercadorias, incluindo a gestão integrada das liquidações, pagamentos, reembolsos e procedimentos contabilísticos.

“O Ministério das Finanças começou a fazer uma reforma, que se concentra na área da Autoridade Aduaneira e Tributária. Na área tributária, um fator importante é a reforma do sistema. O Asycuda Word foi aprovado na resolução do Governo como a plataforma eletrónica a ser usada”, acrescentou.

José Abílio disse que a cooperação pretende reforçar a partilha de informações entre estas entidades para analisar os documentos, sobretudo aqueles com ligação à importação e exportação.

“Este sistema tem muitos benefícios para o desenvolvimento e a economia de Timor-Leste, sobretudo porque podemos ter acesso a informação entre investidores e autoridades aduaneiras de outros países. O acesso a este sistema é muito fácil e pode acelerar o processo”, sublinhou. (isa)

No More Posts Available.

No more pages to load.